Posted on

SERRA DO TEPEQUÉM

Rã flecha venenosa

A serra das cachoeiras, das belezas, das aves (incluindo o galo-da-serra e araras), das bromélias, das orquídeas, das lendas, das histórias, dos causos, do diamante, do garimpo e das pedras sabão, do platô que é palco de acampamento de milhões de estrelas, da Enseada da Anta, das grutas, dos poções e da Laje Verde. Seja bem-vindo a nossa viagem, seja bem-vindo à Serra do Tepequém!

Arara-Canindé e ao fundo platô do Tepequém

Serra do Tepequém está localizada no município brasileiro de Amajarí, em Roraima. Lá está a Vila do Paiva e a Vila Cabo Sobral. O Tepequém é visto como ponto de alto potencial turístico, foi radicalmente modificada devido à intensa e descontrolada exploração de Diamantes, um exemplo disto é a cachoeira do Funil que adquiriu esta forma após inúmeras explosões de dinamites feitas por garimpeiros.

Na Região, além de muito verde, também encontram-se muitas cachoeiras para banhos relaxantes e momentos inesquecíveis. Ficando há um pouco mais que 200km de Boa Vista, é colocar o pé na estrada nos finais de semana, feriados e até mesmo para curtir as férias.

Quase lá, depois de uma subida um pouco difícil, próxima à Pousada do Sesc, nada melhor que tirar fotos com os amigos e relaxar com o vento que geralmente é frio, mas nada de vacilar, o vento é fresco, mas o sol, sempre é de rachar a nuca, por isso, protetor solar e um bom chapéu irão proteger bem aos visitantes.

Cachoeira na descida do Paiva

O QUE FAZER

Na cachoeira do Paiva, escolhemos a descida pela escadaria de madeira, mas, antes de descer, você pode ir ao mirante do Paiva e fazer muitas fotos, e logo em seguida começar a descida. O bacana é que se preocuparam com a segurança do turista e colocaram cordas de aço para facilitar o acesso à cachoeira.

Mirante do Paiva

Ao chegar à parte de baixo da cachoeira do Paiva, você pode continuar a descer e ir conhecendo o local, vale ressaltar que há pedras escorregadias e áreas com quedas muito altas, então não esqueça de contratar um condutor local ou pedir apoio ao guia de turismo que está acompanhado o seu grupo. Se continuar descendo irá chegar a uma pedra que parece ter sido colocada em cima de outras duas pedras, o que chama bastante a atenção dos turistas.

Cachoeira do Paiva

Como estávamos com equipamentos de segurança e acompanhados pelo condutor local professor Sidney, continuamos descendo ainda mais, passando por dentro de cachoeiras, por precipícios nas encostas por onde descíamos e até mesmo por uma mata que toda via aparentava não ter sido explorada, até chegarmos ao ponto que estávamos buscando, uma coisa nova e na descida do Paiva, uma das cachoeiras mais altas do Tepequém, conhecida como Laje Verde, um local para aventureiros e pessoas que curtem a adrenalina.

rapel na laje verde
Cachoeira da Laje Verde – Roraima

Outra cachoeira próxima à Vila do Paiva é a do Cabo Sobral, que faz jus ao nome da vila antiga do Tepequém, local onde na época do garimpo era a vila principal, com policiamento, cinema, cabarés e muito mais, a cachoeira é mais rasa e usada por muitos como escorregadeira, por ter um pouco de inclinação e alguns pequenos poços de água usados pelos turistas para se refrescar, e é uma das que, particularmente, mais curto.

Cachoeira do Barata

Falando em poções, temos a cachoeira do Barata, que é uma das mais visitadas, por ter vários poções de água, muitas vezes transparente, às vezes esbranquiçadas pela chuva, muitos usam as paredes ao redor dos poções para pular e se divertir, o Tepequém é lindo e em todo percurso, e em cada cachoeira, sempre vemos as placas falando do cuidado com o lixo que o turista leva, e vemos também latões de lixo que estão no caminho das cachoeiras ou levem seu lixo até áreas apropriadas para o despejo na vila.

Ideias de perspectivas na cachoeira do Barata

Tem a cachoeira do Funil que é uma das mais distantes e visivelmente modificada pelos garimpeiros na época da exploração do diamante, esse que era muito cobiçado por sua cor verde-cana, e no percurso para esta cachoeira passamos pelo conhecido Xelim do Gringo, outra área também modificada por explosões de dinamite, mas bastante interessante, pois os garimpeiros fizeram todo um percurso para passar a água e lavar a terra, sobrando os cascalhos e o desejado diamante.

Cachoeira do Funil
Cachoeira do Funil

Uma área muito conservada no Tepequém é a enseada da Anta, refúgio de animais e plantas, um local que pode ser utilizado por ornitólogos para a prática de observação de aves e sem falar que é um local que quem o visita, para, senta nas encostas e pode sentir uma paz interior muito grande, algo que envolve o local.

Vista da Enseada da Anta

Existe também o Complexo dos Guimarães, local onde vamos encontrar a cachoeira do Igarapé Preto, com águas avermelhadas e uma região repleta de grutas para serem visitadas, de vários tamanhos e dificuldades para o acesso. Quando for ao Tepequém e quiser visitar as grutas, procure pelo condutor Ronny que com todo cuidado levará o grupo para conhecer o Complexo.

Entrada da Gruta no Complexo dos Guimarães

E não poderíamos deixar de falar de uma pequena, mas romântica cachoeira, a do Miudinho, um ponto alto do Tepequém, pois é uma cachoeira que está conservada, é distante da Vila do Paiva e bem escondida, procure pelo condutor Luiz Galdino para acompanhá-los até essa pequena, mas belíssima cachoeira.

Cachoeira do Miudinho
Platô

Outra atração é a cachoeira do Funil, mas antes de chegar até ela, você poderá conhecer o xelim do Gringo, aproveitar as grutas na encosta do Platô e até mesmo o Platô, ponto mais alto do Tepequém, e assim ver o avião, ou melhor, restos dele, da época do garimpo. Tem também a cachoeira da laje verde e da laje preta, também a do Miudinho e o igarapé do Paiva, observar aves e outros animais, como um sapo amarelo com preto e muito mais.

Platô
Xelim do Gringo

Saímos da Vila do Cabo Sobral e seguimos para almoçar, imagina onde, com certeza, no restaurante da Irmã Regina, não existe nada mais fantástico do que você já estar com os olhos cheios de tanta beleza e de repente encher a barriga com uma comida, hum, deliciosa, só sabe mesmo quem já comeu, é muito boa.

Corredeiras do Cabo Sobral

Procure pelos guias de turismo da região: Sidney, Galdino, Ronaldo, Ester, Ronny e muitos outros que se encontram geralmente no Centro de Artesanato da Vila do Paiva. 

Bicho pau

A Vila do Paiva é pacata, tranquila e aconchegante, com restaurantes, pousadas, bares, mercadinhos, áreas de camping, centro de artesanato, posto de saúde, além de sua gente ser sempre sorridente e hospitaleira, um local que tem seu ritmo, seu jeito de ser.

Astrofotografia feita na estrada para a serra do Tepequém

Conheça o lugar que você vive, aproveite para visitar cada canto de Roraima, se apaixonar por suas belezas, fazer lindas fotos, fazer um diário fotográfico de viagens, e não esqueça sempre de, antes de viajar, fazer revisão em seu carro, moto, quadriciclo ou bicicleta; hidrate-se sempre; não retire nenhum vegetal ou mineral da região; nunca jogue seu lixo nas trilhas, carregue consigo e o deposite nos locais adequados; preserve o local que visitou.

NOVAS ATRAÇÕES

Além das cachoeiras citadas acima, a Serra do Tepequém sempre trás novidades aos turistas, os condutores locais sempre buscam por novas atrações na região e além das cavernas (grutas) e da cachoeira da Lage Verde que já citamos, recentemente começou a se visitar a Mão de Deus, um local lindo e que atrai os turistas principalmente para observar o por do sol, seja para a fotografia, para curtir o momento e/ou até mesmo para uma excelente meditação. A Mão de Deus fica na área da cachoeira do Paiva, e pode ser acessada com apoio dos condutores locais.

Poção Esmeralda

Outra atração turística são os poções da região, e o mais famoso, maior e que tem uma coloração esverdeada e transparente é o Poção Esmeralda.

Para acessar ao poção, o turista deve entrar ao lado direito logo após a ponte que da acesso à Vila do Paiva, a entrada fica ao lado de uma parada de ônibus e é de areia branca. Segue sempre em frente e vai seguindo as placas até chegar a um local que tem uma cerca, ah, demora um pouco para chegar ai viu, então não pense que está perdido, é só um pouco longe mesmo.

Chegando lá, existe um condutor local que cuida do espaço para mantê-lo limpo e caso os turistas que não contrataram condutor local precisem de informações,e eles estão ali para ajudar, pedem apenas uma ajuda, que vai de cada um.

NÃO ESQUEÇA DE CONTRATAR

Cachoeira na descida do Paiva

Para que você possa ficar conhecendo as histórias, lendas, cultura, culinária e muitas belezas naturais que a Serra do Tepequém tem a oferece, contrate um condutor local. Os condutores vivem na região e tem um imenso amor pela serra, o que torna o passeio mais fantástico, e o que impede também que você passe por perrengues ao ir a determinados locais sem conhecer.

ONDE FICAR

A Pousada Manancial é uma excelente opção de hospedagem na Serra do Tepequém. Com quartos para casal, três e quatro pessoas, todos com banheiro e chuveiro água quente ou fria, climatizados, Tv, Wifi. Mais informações contatar pelo Whatsapp 95 99122-5930. Aproveite, acesse a fanpage e conheça um pouco mais da pousada em: https://web.facebook.com/PousadaManancial.

Procure também pela Gisele ou pelo Japão em sua pousada um pouco antes da ponte sobre o igarapé do Paiva, que tem histórias e causos fantásticos.

Há também outras opções de hospedagem como áreas de camping, redários, pousadas, hotéis mais simples e até mais luxuosos, para que você aproveite bem sua ida à serra.

ONDE COMER

Café da manhã, almoço e jantar, recomendamos o Restaurante da irmã Regina, pense numa comida boa, que varia desde o tão conhecido café com pão até uma deliciosa galinha caipira.

Além da opção acima, a serra tem outros locais que servem refeições, lanches, pasteis e até mesmo pizza. Dispõe de mercadinho e até mesmo de açougue, para quem desejar fazer aquele churrasco (em área permitida).

NÃO ESQUEÇA DE LEVAR

Repelente creme contra inseto, pois caso tenha se ralado o repelente tipo spray causará ardor, Protetor solar, Bermudas e camisetas leves para o dia, que possam ser molhadas e que não sejam pretas porque atraem aos mosquitos e para a noite algumas roupas mais quentes, pois algumas vezes, à noite, faz frio.

Boné ou chapéu, medicamentos pessoais, e caso tenha alergia a algo, avisar ao guia de turismo ou alguém que estará acompanhando na viagem.

Qualquer tipo de tênis ou sandália. Lá na Vila do Paiva têm pousadas, e caso prefira algo mais ao ar livre, também dispõem de áreas de camping, mas, nesse caso, não esqueça sua barraca e/ou rede.

Leve uma sacola grande para colocar objetos que não podem ser molhados caso chova no percurso, e outra SACOLA para colocar o LIXO que for gerado no percurso.

Astro Fotografia no Platô

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *