Posted on

VIAGEM PELO SECTOR II – KAMARATA-KANAIMÖ, RUMO AO SALTO ANGEL – PARTE 2

E, seguimos viagem por nossa história, hoje  indo de visita a comunidades indígenas, cachoeiras, comidas diferentes e até um avião, para ser mais exato, um DC3 bimotor que na década de 50 caiu ali por falhas nos motores e hoje faz parte da paisagem. Além de músicas, histórias e danças cantadas e contadas à beira de fogueiras e com um céu limpo e estrelado. Hoje seguimos nossa viagem e te convido a viver essa experiência conosco!

Acampamento Kavak

TERCEIRO DIA

Acordei por volta das 5h da manhã para aproveitar e fazer alguns vídeos. Voltei ao quarto para arrumar a mochila pois deveríamos deixar na área de recepção às 6:30. Fiz alongamentos e me dirigi até a área do barracão para tomar aquele café delicioso onde tivemos panqueca, queijo, presunto e perico (ovos mexidos, tomate, cebola e pimenta de cheiro), além do suco de graviola que está bom demais.

Igreja Católica em Kamarata

Seguimos até Kamarata onde conhecemos a comunidade, a escola, o posto de saúde, como vivem as pessoas daquela região e depois nos levaram para o casarão, onde nos presentearam com danças e comidas típicas da região. Foi uma imersão em seu mundo é uma experiência única e fantástica que pude viver naquela comunidade.

Momento das danças

COMIDAS SERVIDAS

Katá – sopa espessa feita com farinha de mandioca, pimenta e cupins.
Mamicho – folhas de mandioca moídas feito tipo sopa.
Tumá de peixe aymara – parecido com nossa damorida.
Casabe – tipo de beiju.
Tumá de carne – tipo damorida feita com carne e com a folha de mandioca.
Avak – Coquinho da palma.
Moriche kuay – buriti.
Maradao – goiaba.

Apresentação das comidas típicas

As danças foram baile Tukuy e canções em Pemon, hinos etnográfico e hinos à Gran Sabana. Após as apresentações nos serviram um delicioso almoço, feito com todo carinho pela comunidade.

Área do posto de saúde

Saímos da comunidade em trekking por um percurso de mais ou menos 20min. Chegamos ao rio Akanan, onde haviam duas Curiaras (canoas) nos aguardando para fazer um trajeto de mais ou menos 1h até a Comunidade Awaraparu. O rio apresentou diversos obstáculos, mas nossos barqueiros são experientes e nos levaram à comunidade sem nenhum transtorno.

SEGUINDO PARA A COMUNIDADE AWARAPARU

Curiacas

Ao chegar à Comunidade Awaraparu, fomos recepcionados pela comunidade com danças e canções que nos aproximou ainda mais de sua vivência. Após, nos apresentaram uma mesa farta com diversos pratos típicos para que pudéssemos experimentar, e pense numa delicia.

Chegada à Comunidade Awaraparu – Na foto Jô Viajou e Thiago Silva
Artesanato produzido pela comunidade

Após a apresentação fomos a um igarapé (riacho) aqui próximo, com uma água gostosa, que além de limpar o corpo, revigorou a alma. Nesse tempo à comunidade estava preparando uma deliciosa janta para os membros da expedição.

Crianças da Comunidade Awaraparu
Crianças da Comunidade Awaraparu

Foi feita uma reunião com a equipe para falar sobre os preparativos do quarto dia. Mais um dia repleto de emoções, lembrando que saímos de Kavak de carro, de lá fomos até Kamarata e ao final do dia chegamos em Awaraparu.

Cigarra rabo de galo

QUARTO DIA

Acordamos por volta das 6h da manhã e já os membros da comunidade Awara’paru já estavam preparando um delicioso café da manhã para nós. Saímos por volta das 7h40 para conhecer uma linda e gigante Cachoeira Kamadak.

Usando as curiacas para atravessar os rios
Criança da região produzindo artesanato

Andamos por volta de 3h, atravessando dois rios e uma corredeira até chegar a Kamadak, chegando no local, fiquei boquiaberto ao ver o tamanho daquela cachoeira e o volume de água que despejava. Passamos umas duas horas aproveitando o local, tanto para banhos quanto para fazer aquelas fotos!

Cachoeira Kamadak

Ao término do passeio, a equipe de apoio já havia preparado um almoço de trilha para a equipe logo após a corredeira.

Beto e Nayra numa foto de casal na cachoeira Kamadak

Almoçamos e voltamos para a comunidade Awara’paru, para tomar aquele banho e esperar pela janta. Após o jantar, os membros da comunidade prepararam uma surpresa para nossa equipe de expedição, onde foram dançar para nós ao redor de uma fogueira, dizendo que assim como nos receberam com alegria, estavam se despedindo de uma forma alegre por termos passado esse tempo com eles.

Aproveitamos o por do sol para fazer essa foto dos casal Nasser e Lila do blog Nós Dois Por Aí

CANÇÕES CANTADAS

Tuküy (uma canção dos espíritos chamados Imawari)

Kuikuytüriau (canção que fala de um menino que enquanto sua mãe trabalhava começou a chorar e sua mãe concentrada em seus afazeres deu a ele duas ramas de mandioca para que brincasse enquanto ela plantava mandioca, enquanto ele balançava as mãos cresceram asas e ele saiu voando e hoje ele roda a selva olhando tudo para informar ao Xamã o que ocorre)

Uma noite que me marcou bastante, com cada música cantada e dança apresentada

Meruchi (canção que fala de uma pomba que vive na orla do rio)

Weikoko Piroroi (essa canção se trata de que o Pemon está cantando e enquanto canta descreve que ele e Weikoko (Imawari) se olham, mas como ele está pintado não pode lhe fazer dano. Weikoko (Imawari dama) é um espírito que quando a pessoa não está pintada, ela da uma bebida para o espírito da pessoa, e essa pessoa fica doente tendo febre, vômitos, e se sente mal no fundo da alma, melancólico, em seu corpo físico, até que morre.

Beto tomando caxiri enquanto dançava

O que é Imawari?
É um Deus/Espírito que vive nas serras/tüpü, que tem o poder/capacidade de fazer o mal.

Após as apresentações, aproveitei para fazer algumas fotos de estrelas e agradecer, ao ver um céu tão limpo onde até a via láctea estava bem visível.

Nosso quarto dia foi cheio de surpresas boas, no início um pouco cansativa pela caminha, mas ao ver aquela Cachoeira, vimos que todo esforço valeu a pena. E ainda terminar o dia, recebendo danças e canções em gratidão por compartilhar com eles, não teve preço!

QUINTO DIA

E no quinto dia, desmontamos as redes, arrumamos a mochila e tomamos nosso café, tudo isso antes das 6h da manhã, já que nosso dia seria para passar em várias comunidades indígenas que ficam no caminho, isso tudo de barco, para se chegar até o acampamento que iríamos passar a noite. Nos despedimos de todos da comunidade Awara’paru que deixou saudades, espero voltar o mais breve para revê-los!

As crianças foram nos recepcionar e nos levaram até a área da igreja

Comunidade Awaratöy

A primeira Comunidade indígena de Awaratöy, que visitamos após sair da comunidade Awara’paru, e como fomos muito bem recepcionados. As crianças foram nos recepcionar na beira do rio, já dando gritos de boas vindas, todos bem caracterizados. Nos levaram até a área da igreja onde toda a comunidade estava nos aguardando.

Dançamos juntamente com eles

Chegando ali, se apresentaram, e depois nos apresentamos para eles, contaram suas histórias e em seguida, começaram a cantar e em parte da canção falavam o nome de um dos membros de nossa expedição, e nisso uma de suas crianças iam nos buscar para dançar ali, numa dança estilo parichara, coloquei os nomes das canções abaixo, junto com seu significado.

Nos serviram com frutos, bebidas e alguns alimentos produzidos ali

Canções apresentadas:

Kiari – bênção dos alimentos
Baile del aleluya – canção para agradecer aos alimentos
Aguinaldo en Pemon – agradecimento aos que chegaram

Feliz demais por ser bem recebido por onde passei

Após degustarmos de sua comida, fomos até um galpão onde se reúnem e o líder da comunidade foi nos agradecer por estarmos ali, na verdade, nós é que somos intensamente gratos por isso. Recebemos algumas lembranças de presente e seguimos viagem, de barco, até a próxima comunidade.

Viagem de barco por todas as comunidades

Indígena Kowipa

Comunidade Indígena Kowipa

De lá seguimos de barco para a segunda comunidade no trajeto, a comunidade indígena Kowipa, que fomos muito bem recebidos também, e o capitão da comunidade sabia falar português e até tinham uma bandeira brasileira ali. Cantaram algumas canções, no abençoaram com seus alimentos e ainda fomos pintados.

Fomos pintados pelas crianças da comunidade Kowipa

Canções apresentadas:

Müpakairo – buenos dias
Apütöpöday – te quiero

Os alimentos que nos serviram, tinha peixe, cana, caldos e bebidas

Comunidade Wennetöy

Fomos sempre muito bem recebidos por onde passamos

Depois fomos para a terceira comunidade indígena, seguindo de barco em todo percurso até chegar em Wennetöy. E, assim como fomos recebidos nas outras comunidades, eles também estavam à beira do rio nos aguardando, falando palavras de bem-vindos e que estavam contentes em nos receber (como não se alegrar com isso?).

Larvas que são comidas vivas
Thiago se acabando na delícia do bichinho de coco

Caminhamos até chegar na comunidade e no meio do caminho havia um arco que eles fizeram para que passássemos por baixo escrito: SEJAM BEM VINDOS!. Que recepção hein? Caminhamos até chegar no malocão onde estavam nos aguardando, nos apresentamos, eles se apresentaram, cantaram para nós e dançaram, além de convidar alguns para dançar, e depois, nos serviram do seu melhor alimento, incluindo uma larva (eu não comi, com medo de depois passar mal).

Canções apresentadas:

Awesenpoika – canção de Llegada
Aparua – Perro de água

Comunidade San Pedro de Wuypaken

Após mais uma despedida calorosa, seguimos de barco até a quarta comunidade, San Pedro de Wuypaken, que tem o Manoel Rodriguez como capitão da comunidade. Como já de costume, fomos muito bem recebidos e aproveitamos a área da comunidade para almoçar ali.

Crianças trouxeram alimentos da comunidade para os membros da expedição

Comunidade Kuana

E o seja bem vindo segue em todos os lugares por onde passamos

De lá, fomos para a quinta comunidade indígena Kuana, e logo na entrada havia uma placa feita em madeira para nos recepcionar, além da comunidade nos receber de braços abertos e ainda nos dar frutos para nossa viagem. Se apresentaram e depois foram apresentar a comunidade, que é muito bem estruturada. Mais um local que nos deixou saudades, pela simpatia e felicidade de seu povo.

Seguindo de barco entre as comunidades

Comunidade Iwanamaru

Deixamos a comunidade de Kuana e seguimos para uma  Cachoeira/corredeira chamada Kamaiwa (pato Silvestre), para ver mais uma das belezas que a região tem pra oferecer.

Cachoeira/corredeira Kamaiwa

Seguimos por mais alguns momentos de barco até chegar na comunidade Comunidade Iwanamaru, onde iriamos passar a noite.

SEXTO DIA

Comunidade Iwanamaru

Após uma noite confortável, mesmo em rede, acordamos na comunidade Iwanamaru, e o chefe da excursão nos falou que a comunidade estava completando 1 ano desde que foi criada, ou seja, hoje, dia 21/9/2019, e além de estarem celebrando 1 ano, estavam celebrando a sua patrona e também era a primeira vez que recebiam turistas em sua comunidade.

Apresentação da Comunidade Iwanamaru

Nós recebemos as boas vindas da comunidade com músicas, danças e degustação. Nos falaram sobre a criação de sua comunidade e que estariam se preparando ainda mais para receber os próximos turistas.

Lua descendo sobre o Monte Uruyén
Redário onde a equipe da excursão passou a noite

Almoçamos com ele e nossa equipe ainda participou de uma partida de vôlei com a comunidade, e o background da partida de vôlei eram Los Testigos (alguns Tepuys que estavam ao fundo).

Jogo de vôlei na comunidade Iwanamaru, até a equipe de excursão participou da brincadeira

Saímos de barco para dar continuidade à viagem, e após 10 minutos chegamos a um porto onde descemos e fizemos um trekking até um avião que fez um pouso forçado na década de 50, um DC3, bimotor, que teve falha em um dos motores e, desde então está ali, ainda com a carcaça bem conservada mesmo depois de tanto tempo.

Aproveitei para fazer a foto em cima do DC3
Avião DC3

Virou uma atração na região e ele está sendo observado constantemente pelos tepuys Los Testigo, que dão uma excelente fotografia do local. Amarway é o tüpü que fica em frente ao DC3, um de Los Testigos, os outros são: Wadakatüpü, Aparamantüpü, Murochipantüpü e Tukuyk Woküdentüpü.

O DC3 e um dos Tepuys da região Los Testigos
Rolou até ensaio de casal com os blogueiros Dos Locos por Viaje

De lá seguimos viagem de barco (curiara) até chegarmos à próxima comunidade onde passaríamos a noite. Chegamos à comunidade Saraurai’pa, por volta das 17:30, paramos para separar nossos equipamentos e tomar um banho, por volta das 21h, a comunidade se reuniu para nos brindar com um lindo momento cultural, com danças, músicas e degustação de suas iguarias.

Seguimos de rio até chegar em nossa próxima comunidade, onde iríamos passar a notie

Uma das canções que cantaram para nós foi a Parichara. E depois das apresentações, chamaram um a um da expedição para dar presentes em agradecimento pela visita à comunidade.

Músicas e danças que envolveram nossos corações
Cada música cantada, tocava muito os corações ali presentes

Após a cerimônia, fomos convidados ao jantar e também para apreciar mais de suas iguarias. Tivemos uma reunião para tratar do dia seguinte e com isso, fechamos o 6º dia. Com isso fechamos nossa postagem de hoje e na seguiremos para nosso 7º dia que será na próxima postagem, onde iremos conhecer o Salto Angel, mas posso dizer, que tudo que já vivi até o sexto dia, já valeu muito esta viagem.

Vendo o Salto Angel de longe, será o ator principal de nossa próxima postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *